20090310

Princípios


Podíamos saber um pouco mais
da morte. Mas não seria isso que nos faria
ter vontade de morrer mais
depressa.

Podíamos saber um pouco mais

da vida. Talvez não precisássemos de viver

tanto, quando só o que é preciso é saber

que temos de viver.

Podíamos saber um pouco mais
do amor. Mas não seria isso que nos faria deixar

de amar ao saber exactamente o que é o amor, ou
amar mais ainda ao descobrir que, mesmo assim, nada
sabemos do amor.


Palavras poéticas de Nuno Júdice, que valem a pena ser relidas e reflectidas...

Estas palavras fizeram parte da minha manhã de ontem. Enquanto se falava de como "a vida é uma doença sexualmente transmissível de prognóstico fatal" e como estamos constantemente a tentar "coisificar a morte", surge também aquele pensamento em como não desfrutamos os verdadeiros momentos da nossa vida.
São tantas as pessoas que vejo que sofrem por antecipação, que as coisas ainda não estão para acontecer e elas não deixam de pensar em como será. Está certo que é uma preparação, um mecanismo de defesa... Mas ao mesmo tempo, se já o vamos sofrer amanhã, então que fique no amanhã, porque o meu hoje é para viver com intensidade e com todos os sentidos...