20080312

A experiência do silêncio...


- Que é que aprendes nesta vida de silêncio? - perguntou um visitante a um monge de clausura.
O monge, que estava tirando água de um poço, respondeu-lhe:

- Olha para o fundo do poço. Que é que vês?

O homem debruçou-se sobre a boca do poço.

- Não vejo nada.

O monge permaneceu imperturbável e passado um momento disse de novo ao
visitante:
- Olha agora. Que vês? O visitante obedeceu.
- Agora vejo-me a mim mesmo reflectido na água.

Então o monge explicou:

- Viste? Quando desço o balde ao poço, a água agita-se.
Agora a água está
calma. É esta a experiência do silêncio: o homem descobre-se a si mesmo!

Tudo é tão simples quanto isto... mas andamos sempre tão atarefados com os nossos problemas e com a agitação do dia que nem lembramos que as coisas mais simples são as mais puras, as mais bonitas, as mais sinceras...
O silêncio pode por vezes gritar mais alto que as palavras, pode aconchegar mais que um abraço, pode transmitir mais compreensão que o toque...

"Vai serenamente por entre a agitação e a pressa e lembra-te da paz que pode haver no silêncio..."